Você está aqui: Página Inicial / Arquitetura e Urbanismo / Notícias / Projetos do curso de Arquitetura sobre águas urbanas já estão sendo implantados

Projetos do curso de Arquitetura sobre águas urbanas já estão sendo implantados

Projetos do curso de Arquitetura sobre águas urbanas já estão sendo implantados
Imagem do projeto "Um parque é mais que um parque"

A professora do curso de Arquitetura do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, Regina Xavier, organizou uma compilação de Trabalhos Finais de Graduação (TFG) realizados a respeito do tema “águas urbanas”. Em parceria com o Projeto Manuelzão, o objetivo dos trabalhos foi melhorar a relação entre a cidade e suas águas.

O projeto começou em 2016 e, desde então, seis trabalhos já foram realizados. Todos implicam em auxiliar pessoas que moram em regiões onde existem córregos a cuidarem da natureza que os circunda. Sendo assim, foram realizadas reuniões com a comunidade que buscaram levar informações com a intenção de instruir os habitantes a trabalhar com as águas que coexistem com eles.

A professora Regina comentou sobre as origens do projeto. “O nosso objetivo era encontrar alunos que tivessem interesse em falar sobre o tema ‘águas urbanas’ e ajudá-los a desenvolver trabalhos que não servissem apenas para a graduação, mas também para a população”, disse.

Dois desses programas já foram implantados e funcionam nas regiões do Córrego do Capão e da Vila Acaba Mundo. Com o apoio do Projeto Manuelzão e das comunidades, o projeto “Um parque é mais que um parque” vem ajudando na reconstrução de riachos que foram destruídos com o passar dos anos.

Muitas dessas águas urbanas se tornaram depósitos de lixo e esgoto, e, hoje em dia, trazem problemas às populações que residem ao ser redor, já que podem transmitir doenças. Além disso, o mau cheiro é incômodo e a quantidade de sujeira atrai parasitas.

O egresso do curso de Arquitetura e Urbanismo, Bruno Sangiorge, comentou sobre o seu trabalho. “Foi um período longo de dedicação intensa, mas que no fim, consegui traduzir um pouco do sentimento e vontade de desenvolver um espaço que trouxesse benefícios em diversas escalas e pudesse mostrar que as cidades podem ter espaços compartilhados de convívio sadio entre as pessoas e as águas urbanas”, explicou.

Por possuir uma linguagem técnica e de difícil compreensão para aqueles que não estão na área, alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Ambiental e Sanitária do Izabela se disponibilizaram para adaptar os trabalhos para um vocabulário de mais fácil acesso.

Os discentes Taynara Keila, Letícia Ribeiro, Luís Guilherme, Laís Marques, Thiago Mota e Vivien Leyne, em conjunto com as professoras Regina Xavier e Paola Campos, ficaram encarregados de tratar dos assuntos de forma mais simplória, com o objetivo de facilitar a integração das comunidades com os projetos. “É importante conscientizar os moradores para que eles possam saber como agir de maneira a não prejudicar os córregos”, contou Luís.

Letícia Ribeiro, que está cursando o 9º período de Arquitetura e Urbanismo, comentou a respeito das reuniões realizadas com a população. “Em um primeiro momento, a gente escuta eles [moradores]. Logo após, nós debatemos em conjunto o que pode ser feito. Nesses contatos, a gente mais aprende do que ensina e tentamos adequar os nossos saberes com os deles”, disse.

A aluna Taynara Keila, do 8º período, também falou sobre esse tema. “Às vezes a população não tem a opção de manter os córregos e pensamos que, com o nosso apoio, nós podemos auxiliá-las a lutar para que essas águas não sejam cobertas”, explicou. “Alguns moradores às vezes veem os riachos como fontes de problema devido à sujeira e nós queremos mostrar para eles que é possível reverter essa situação”, completou Thiago.

Em setembro de 2017, foi realizado no Izabela um congresso que reuniu pessoas que trabalham na área, discentes e público externo. Ocorreram mesas redondas e o debate sobre como cuidar das águas urbanas foi colocado em pauta.

Os trabalhos dos alunos podem ser encontrados acessando esse link (https://www.flipsnack.com/umparqueemaisqueumparque/) e mais informações sobre o projeto estão disponíveis na página do Facebook (https://www.facebook.com/umparqueemaisqueumparque/?ref=br_tf).

Veja mais fotos do evento (passe o mouse sobre a foto):

Um parque é mais que um parque