Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Estudantes de Direito fazem visita técnica à penitenciária José Maria Alkimin

Estudantes de Direito fazem visita técnica à penitenciária José Maria Alkimin

Atividade reforça aprendizado teórico dos graduandos sobre funcionamento do Sistema de Justiça Criminal
Estudantes de Direito fazem visita técnica à penitenciária José Maria Alkimin

Com projeto pedagógico que equilibra conhecimento teórico e aprendizado prático, o Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix proporciona aos seus discentes uma série de atividades que reforçam o conteúdo oferecido em sala de aula. Em mais uma ação deste tipo, o curso de Direito, incentivado pelo Ministério da Educação, promoveu uma visita técnica de seus alunos à penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão da Neves, no último dia 19 de outubro. O objetivo da dinâmica foi complementar os conceitos das disciplinas de Direito Penal e Processual Penal.

João Lopes, professor do curso no Izabela Hendrix e assessor jurídico da Polícia Civil de Minas Gerais, considera que a visita técnica reforça os conhecimentos teóricos de natureza penal e desperta muito interesse junto aos discentes. “Os estudantes se sentem muito curiosos para conhecerem na prática aquilo que aprenderam pela letra fria da lei e pelos ensinamentos doutrinários. Preocupam-se, principalmente, com o aspecto da probabilidade de recuperação do ser humano durante o tempo em que está submetido à chamada vingança penal”, explica.

O docente ainda afirma que a visita a uma unidade de rede prisional é importante para que os alunos entendam como funciona o fim da linha do Sistema de Justiça Criminal. “A atividade proporciona uma visão prática do sistema repressivo do Estado nos casos que comportam privação da liberdade de ir e vir. Os estudantes passam a conhecer a execução da pena dentro do sistema legal, com suas limitações e propriedades”, salienta.“Além disso, os discentes promovem reflexões sobre a possibilidade de ressocialização para que as penas não sejam vistas apenas como punição, mas como oportunidades de aperfeiçoamento da pessoa que está em conflito com a lei”, conclui João Lopes.