Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Professora do Izabela participa de audiência sobre instalação de antenas telefônicas em Belo Horizonte

Professora do Izabela participa de audiência sobre instalação de antenas telefônicas em Belo Horizonte

Professora do Izabela participa de audiência sobre instalação de antenas telefônicas em Belo Horizonte
A professora de Engenharia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, Adilza Dode, participou de uma audiência pública na Câmara Municipal de Belo Horizonte, no dia 6 de agosto. O objetivo da sessão foi debater sobre a instalação de antenas telefônicas na cidade, que pode crescer consideravelmente.
 
Operadoras e redes de telefonia querem implantar o 4,5G no Brasil, o que traria melhoria no sinal e maior velocidade na comunicação de dados. Porém, esse tipo de mudança também seria responsável por um aumento considerável de radiação, motivo pelo qual foi promovida uma reunião para discutir o assunto.
 
A professora Adilza fez uma apresentação que visava conscientizar os presentes de que, caso esse modelo fosse implantado, as neoplasias no município seriam mais frequentes ainda. “Quem mora perto de antena corre o risco de contrair câncer em qualquer parte do corpo, pois está exposto à radiação 24 horas por dia”, falou.
 
Desde 2003, com o seu mestrado, a professora vem trabalhando com medições de antenas e, agora em 2018, ela está desenvolvendo um pós-doutorado voltado para as pessoas que adquiriram câncer por conta de radiação.
 
O projeto é reconhecido mundialmente e, na Suíça, foi utilizado como modelo para impedir a instalação do 5G no país. O Canadá também seguiu o exemplo. “Eles estão preocupados com a saúde, assim como nós deveríamos estar. É preciso respeitar a engenharia humana antes da tecnológica”, contou Adilza.
 
A professora ainda ressaltou a importância de audiências como essa, que tratam de um assunto que deveria ser de interesse geral. “A comunidade deve participar de eventos assim para se informar. É necessário mostrar que a população tem poder e que a cidade é dela, não das companhias telefônicas que querem encher Belo Horizonte de antenas”, afirmou.
 
A sessão contou com a participação da promotora da saúde de Belo Horizonte, Josely Pontes, do secretário municipal do Meio Ambiente, Mário Werneck, do vereador Wendel Mesquita de representantes dos bairros de Belo Horizonte, de representantes da Anatel, Oi, Vivo, Claro e Tim e do representante do sindicato das operadoras, Carlos Duprat.
 
Ao final da audiência, foi concluído que há um interesse em impedir essas instalações na capital mineira e outra sessão irá ocorrer em breve com o intuito de finalizar o processo.