Você está aqui: Página Inicial / Notícias / “Um Pai Amoroso”. Mensagem da Educação Metodista em alusão ao Dia dos Pais.

“Um Pai Amoroso”. Mensagem da Educação Metodista em alusão ao Dia dos Pais.

"Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo, lançou-se lhe ao pescoço e o beijou" (Lc 15.20).

Comemoramos no segundo domingo de agosto o Dia dos Pais. Deste modo, ótima oportunidade para refletirmos sobre esta data, através da história que fala de um pai: a parábola do "Filho Pródigo" (Lc 15.11-32).

Ao refletir sobre esta história penso que a parábola deveria receber o título de "o Pai Amoroso" e não o "Filho Pródigo", pois a história aponta de forma maravilhosa para o gesto gracioso e amoroso do pai diante de seus dois filhos.

É digno de nota que o amor gracioso do pai, imagem de Deus na parábola, se volta não apenas ao filho que resolveu pegar sua herança e sair de casa, mas também ao filho mais velho, que ficou em sua casa ajudando-o nos trabalhos junto aos seus bens, durante todo o tempo da ausência do filho mais novo, que fez a escolha de "viver a vida e gastar o que tinha".

O pai não mostra favoritismo entre os dois filhos, apesar de correr em direção do filho mais novo, ao vê-lo abatido e arrependido voltando para casa, olha-o com olhar de compaixão, lança-se em seu pescoço e oferece-lhe um beijo em sinal de perdão e reconciliação.

O filho mais velho, que não entendeu a atitude do pai em relação ao seu irmão caçula, que desprezou o que tinha em casa, desperdiçou a sua herança e o pai o recebia com festas, enquanto ele que sempre estava ao lado, nada recebia, também o pai lançou palavras de amor e segurança dizendo "Meu filho tu sempre estás comigo: tudo o que é meu é teu".

Essa história nos faz pensar na profundidade do amor paterno, afinal das contas, quantos de nós já não fomos motivamos e encorajados por um gesto singelo, amável e afetuoso de nosso Pai. Desde um simples olhar de afirmação a uma palavra de incentivo frente a um grande desafio.

Por fim, essa história bonita nos ajuda a pensar ainda nas relações familiares nesses tempos de individualismo, indiferença e desajustes familiares. Oferece subsídios para refletir sobre a importância da demonstração do afeto, carinho e amor entre os membros da família, em particular, entre pais e filhos, filhos e pais, esposo e esposa, e irmãos. Pois o amor vence as crises relacionais, intrigas, discussões, a desconfiança, a mágoa, a falta de perdão, entre outras realidades nocivas à família.

Pois é, sejamos gratos a Deus pela vida de nossos pais, pois são dádivas do Senhor a nós.

 Parabéns, Paizão! Que Deus te abençoe sempre.

Revda. Márcia Célia Pereira